header

Acesso a Editores

Acessos

Hoje359
Ontem566
Esta semana3456
Este mês7967
Total1611864

45 visitantes online

PALAVRAS QUE EDIFICAM

COLUNA SACERDOTES DO REINO

 COLUNA SACERDOTES DO REINO 

Um bom ano...POR CLINT ARCHER |

 

Qualquer sommelier que se preze sabe: bons vinhos vem de uvas torturadas. É um antigo segredo descoberto acidentalmente nas vinícolas da Califórnia, que quanto mais a uva precisa lutar por sobrevivência, maior a qualidade do vinho que ela produzirá.

Assim, encostas rochosas e áridas não prestam para nada, agricolamente falando, exceto para algumas uvas masoquistas, em especial a variedade Bordeaux. Uvas colhidas após uma temporada de sofrimento produzem vinhos que os entendidos chamarão de "um bom ano".

 

Esse fenômeno não é uma idiossincrasia apenas da enologia, mas da teologia também.

 

Se eu te perguntar o que faz um bom ano na sua vida, você talvez responda com uma ou mais dessas bênçãos genéricas: saúde, sucesso profissional, satisfação nos relacionamentos, prosperidade (ou, no mínimo, solvência) financeira. Mas você estaria errado.

 

Quero dizer, pelo menos meio errado. Um bom ano é feito de qualquer coisa que avance nossa santificação, isso é, que nos torne mais parecidos com Cristo, nos leve para mais perto de Deus e aumente nossa atuação naquilo que glorifica a Deus.

 

Isso talvez signifique experimentar a graça de Deus através de bênçãos fisicamente favoráveis, ou talvez signifique perseverar através de diversos níveis de provação. Foi isso que Paulo quis dizer com "Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito" (Romanos 8.28).

 

Se eu tivesse que escolher entre um ano de tranquilidade e alegria ou um ano de dificuldade e desapontamento, se dependesse só disso, eu escolheria o caminho do conforto. Você não? Mas não depende só disso. Uma provação tende a nos tornar mais parecidos com Cristo, de forma mais eficaz que a tranquilidade. Veja como Tiago inicia sua carta: "Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações, sabendo que a provação da vossa fé, uma vez confirmada, produz perseverança. Ora, a perseverança deve ter ação completa, para que sejais perfeitos e íntegros, em nada deficientes" (Tiago 1.2-4).

 

Todas as provações – desde uma inconveniência no trânsito ou uma unha encravada até dores torturantes e perturbações emocionais – são usadas por Deus para produzir em nós a maturidade espiritual que afeta nossa vida agora e na eternidade (2 Coríntios 4.17, um versículo que vale a pena guardar na memória).

 

E não apenas as provações afetam você e sua eternidade, mas elas glorificam a Deus.

 

Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações, para que, uma vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível, mesmo apurado por fogo, redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo (1 Pedro 1.6-7; ver também 1 Pedro 4.12-13).

 

Assim, quando alguém perguntar quais são suas esperanças para o ano que começa, talvez uma resposta teologicamente apropriada seja: "um ano em que Deus destile o máximo possível de glória da minha vida, independente das circunstâncias, é um bom ano".

 

 Traduzido por Filipe Schulz | Reforma21.org

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

 

UMA MESA NO DESERTO...W.NEE

Tudo quanto (...) foi escrito para o nosso ensino foi escrito. Romanos15.4
O cristianismo não está firmado apenas em preceitos, mas em exemplos concretos. Um
dos métodos usados por Deus para a instrução é a história. Ela nos conta como os homens
conheceram a cumpriram a vontade de Deus, de modo que, ao observar sua vida, possamos não
apenas descobrir sua vontade para nós, mas também aprender como é possível cumpri-la. Sua
mão sobre a vida desses homens produzia Sua vontade neles, e Ele ordena que atentemos para
isso, para compreendermos melhor o que pretende realizar em nós.
É necessário dizer explicitamente a uma criança como fazer tudo? É preciso consentir ou
proibir cada coisa? Não lhe é suficiente descobrir isso mediante a simples observação dos pais?
Aprendemos mais com o que vemos do que com o que ouvimos, e a impressão que isso deixa
em nós é mais profunda, pois os preceitos são abstratos, enquanto os exemplos demonstram de
forma tangível seu cumprimento. Em princípio, os modos de Deus são os mesmos hoje como
eram nos tempos bíblicos. Ele nos deixou uma história tão vasta no Antigo e no Novo Testamento
para que, pela paciência e pelo auxílio das Escrituras, também possamos ter esperança.
-- Watchman Nee (Livro: Uma Mesa no Deserto - www.editoradosclassicos.com

 

 

LENDO AUGUSTO CURY.........................................................................

. "Os problemas nunca vão desaparecer, mesmo na mais bela existência. Problemas existem para serem resolvidos, e não para perturbar-nos."Augusto Cury

/////////////////////////////////////

O céu e a terra passarão,

mas as minhas palavras

não hão de passar.

Mateus 24:35

 

A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma;

o testemunho do Senhor é fiel e dá sabedoria

aos símplices . Salmos 19:7.

 

Abraão deu a Ló, seu sobrinho, a oportunidade de escolher o melhor lugar onde habitar com
a sua família e os seus bens, porque ele sabia que Deus é fiel e cumpriria a promessa de dar uma
boa terra à sua descendência - Gênesis 13:14-15. Quem crê não escolhe, não tem preferência,
não se apressa, não se atemoriza, não foge; mas, espera, descansa, confia - Isaías 28:16. Depois da
morte de Abraão, Deus confirmou o pacto firmado com ele a seu filho Isaque - Gênesis 26:1-3; e
mais tarde, em Betel, a Jacó: Eu sou o Senhor Deus de Abraão, teu pai, e Deus de Isaque. A terra em
que agora estás deitado, eu ta darei, a ti e a tua descendência. Gênesis 28:13.
Quando Israel entrou na terra da promessa e recebeu tudo conforme Deus havia falado,
Josué deu testemunho ao povo da fidelidade de Deus em cumprir suas promessas: Nenhuma
promessa falhou de todas as boas palavras que o Senhor falara à casa de Israel: tudo se cumpriu. Josué
21:45. O Deus que nos deu as Escrituras é fiel, não falha, não muda, não se arrepende, não comete
erros e não mente: Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa.
Porventura, tendo ele prometido, não o fará? Ou tendo falado, não o cumprirá? Números 23:19.
O Senhor Jesus confirmou a fidelidade da Palavra de Deus, dizendo: A Escritura não pode
falhar. João 10:35. O Supremo Mestre não hesitou em fundamentar essa verdade em um dos
menores Salmos das Escrituras, porque Ele sabe que a fidelidade faz parte da natureza Divina: A
fidelidade do Senhor subsiste para sempre. Salmos 117:2. A plenitude do caráter de Deus presente
na Escritura faz com que as mais diminutas coisas que nela estão escritas hão de ter, no tempo
certo, fiel e cabal cumprimento: E é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til sequer da Lei.
Lucas 16:17. O Deus que afirmou: Eu Sou o que Sou. Êxodo 3:14 revela em Sua Palavra a natureza
de Seu caráter e a grandeza do Seu poder para fazer cumprir tudo o que prometeu: Porque em
verdade vos digo: Até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da lei, até que
tudo se cumpra. Mateus 5:18.
Mesmo que um terremoto gigantesco, devastador, desintegrasse toda a África e toda a
América, a Palavra de Deus não sofreria nenhuma diminuição. A fidelidade de Deus não sofre
qualquer alteração por nenhum tipo de acontecimento. A fidelidade de Deus jamais será
interrompida; ela é mais forte e mais poderosa do que qualquer cataclisma destruidor.

-- Sinval T.da Silva

ESTUDO DE PALAVRAS

Pecado =HAMARTIA:

Erro, desvio, pecado. É uma palavra comum no Novo Testamento, onde, só nas cartas de Paulo, aparece sessenta vezes. No grego clássico, expressa basicamente a idéia de “erro”. Essa palavra começou a ser usada no sentido de “desvio do alvo”, como, por exemplo, não acertar quando se lança uma flecha. Pode-se usar com relação ao fato de errar um caminho, falhar um plano, frustar uma esperança ou um propósito. No Novo Testamento, ela não designa um ato definido de pecado, mas o estado de pecado, do qual partem as ações pecaminosas. Assim, uma vez que uma luva foi feita para conter a mão, se ela for usada para conter qualquer outra coisa, isso será um desvio de seu propósito, um pecado, no sentido da palavra grega. Do mesmo modo, o homem que foi criado à imagem de Deus, como a luva à imagem da mão, tem o propósito de conter Deus. Se ele contiver qualquer outra coisa que não seja Deus, entrará num estado de pecado, de onde partirão todos os desvios e ações pecaminosas. A única maneira de nos livrarmos dessa condição é sermos enchidos com a Pessoa de Deus, arrependendo-nos de nossa situação, confessando-a a Ele, tomando o sangue de Cristo e invocando o nome do Senhor. Jesus é o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo(João 1:29).”Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: todo o comete pecado é escravo do pecado”(João 8:34). “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”(João 8:36). Fonte: LSM/ W.LEE //////////////////////////////////////

COLUNA DO AUGUSTO CURY

A MATURIDADE REVELADA NO CAOS

É fácil reagirmos e pensarmos com lucidez quando o sucesso bate à nossa porta, mas é difícil conservamos a serenidade quando as perdas e as dores da existência nos invadem. Muitos revelam irritabilidade, intolerância e medo nessas situações. Se quisermos observar a inteligência e maturidade de alguém, não devemos analisá-la nas primaveras de sua vida, mas no momento em que atravessa os inversos de sua existência. Muitas pessoas, incluindo intelectuais, comportam-se com elegância quando o mundo os aplaude, mas perturbam-se e reagem impulsivamente quando os fracassos e os sofrimentos cruzam as avenidas de suas vidas. Não conseguem superar suas dificuldades nem mesmo extrair lições de suas intempéries. Houve um homem que não se abalava quando contrariado. Jesus não se perturbava quando seus seguidores não correspondiam às suas expectativas. Diferente de muitos pais e educadores, ele usava cada erro e dificuldade dos seus íntimos não para acusá-los e diminuí-los, mas para que revisassem suas próprias histórias. O mestre da escola da vida estava menos preocupado em corrigir os comportamentos exteriores e mais preocupado em estimulá-los a pensar e a expandir a compreensão dos horizontes da vida. Era amigo íntimo da paciência. Sabia criar uma atmosfera agradável e tranqüila, mesmo quando o ambiente à sua volta era turbulento. Por isso dizia: “Aprendei de mim, pois sou manso e humilde...”.

/////////////////////////////////////////////////////////COLUNA ALFA E OMEGA

O VERDADEIRO EVANGELHO

PRODUZ FILHOS PARA O REINO

“Quem quiser, pois, salvar a sua vida, perdê-la-á; e quem perder a vida por causa de mim e do evangelho salvá-la-á... Porque qualquer que, nesta geração adúltera e pecadora, se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai com os santos anjos” (Marcos 8:35,38). Isso indica que aquele que não está disposto a perder sua vida da alma não está disposto a sofrer pelo Senhor e por Suas palavras nesta era. Em uma geração adúltera e pecadora, dar testemunho das palavras do Senhor desavergonhadamente, sem dúvida, exige que se perca a vida da alma. Muitos dos filhos de Deus nunca estão dispostos e tampouco ousam testemunhar, diante dos homens, acerca do Senhor, que os comprou. A razão é que eles querem salvar sua pele e temem ser ridicularizados pelos outros. Tais pessoas sofrerão perda no reino vindouro. Todo aquele que não estiver disposto a perder sua vida da alma na presente era não verá a glória do Senhor na futura. Sejamos aqueles que rejeitam a vida da alma hoje, por causa do Senhor, para que possamos preservá-la para a vida eterna (Mateus 16:25; João 12:25).Esta era da igreja na qual estamos aproxima-se do seu final,cujo sinal evidente apontado pelas profecias no livro de Daniel (VT), é a reedificação do antigo templo de Salomão em Jerusalém. Cabe a todos estar preparados, regenerados em seu espírito humano, crescidos e amadurecidos nas faculdades psicológicas que compõe a nossa alma, com a mente, vontade e emoção 1 Ts.5.23.(fonte:JAV)

APOIO PUBLICITÁRIO

banner boasnovas